Oficinas

 

Tudo é indício. À carne, à flor,

aos canteiros cheios de insetos e luz.

Os dons infernais gozam seus infartos.

Palavras nascem de mínimas ampulhetas.

Anjos renovam suas breves trilhas

Ou dardejam dicas em ouvidos

para quem queira, bolso alado,

guardar os acontecimentos

que Drummond não aconselhou.

  

Ficar comovido, porque haverá caixões

de plantão, de ofício: tudo é cifra

para os que queiram o que não queiram,

alimentar a chama fria, o risco da cicatriz,

paisagens marinhas agora áridas.

Todo poeta será enforcado com a sua

chance – não existe o dom, desculpem.

Existe o escárnio do mistério.

 

E os vulcões em risco de extinção.

  

 

André Ricardo Aguiar