Ao porquê não repassamos nada:

só nos resta vivenciar vestígios.

Traduzir sombra, refletir lagos parados.

Neruda ainda disputado, mas por

conta dos ossos de um poema,

Não pela carne que o recobre.

As cartas de amor agora disputam

espaço com contas do cartão.

De fatura, uma suave ironia

põe rima em tudo, menos em solução.

Desça do pedestal, você tenta dizer

à musa. Mas a musa emigrou

para os quintos de algum inferno.

E tudo é motivo de mandar

tudo ao diabo.

O inferno e os outros.