You are currently browsing the category archive for the ‘Eventos’ category.

A partir de hoje este blogue entra numa espécie de recesso, com atualizações mais espaçadas, ao sabor das conveniências de fim de ano.

 

Deixo aqui também um pequeno balanço, mínimo, em que entra um pouco da sinceridade e esperança que tenho por vestimenta.

 

As reflexões que porventura fiz ainda estão em processo. Aliás, tudo é processo. O ano literário não teve uma grande variedade, poucos lançamentos em que fui, mas também devo registrar pequenas alegrias nessa área. Mais um livro infantil concluído, além dos meus livros já editados (embora um deles esteja sob observação de uma editora). Participação na Fliporto, convivência com meus amigos, mudança também de casa e direção, e as lições agridoces da sempre imprevisível e necessária relação humana.

E a família, cada vez mais no meu sangue, esteja onde eu estiver.

 

A necessidade de persistir também reflete nas deliciosas tardes de sábado, com os amigos do Clube do Conto, completando mais um ano com renovadas visitas e aquisições.

 

Outras formas de encontro, de idéias e projetos, se divisam no horizonte.  A esperança de que poderei investir mais em transmitir minhas idéias sobre literatura, poesia, leitura, também estão na beira da agenda.

 

O retorno ao mundo blogueiro me fez bem. Os poucos e diletos amigos que me visitam causam-me imensa alegria, por manter o incentivo necessário à expressão do que também sou feito: palavra que me redime do vazio.

 

Um Feliz Natal!

Anúncios

newseumComo ter na mesa, logo cedinho, a primeira página de um jornal da Dinamarca, o The Guardian, de Londres e a Gazeta Tema, da Albânia? Simples e divertido. É a idéia do interessante Newseum.  Basta dar uma olhadinha no mapa e clicar nos pontinhos, onde cada um representa um determinado jornal. O acesso é apenas para a primeira página, mas dar um visto nas principais manchetes do mundo, atualizadas todo dia, não é pouca coisa. Merece uma olhada.

 

CultPB

Hoje tem lançamento do website Cultpb (www.cultpb.com) no Casarão 34, às 19h, localizado na praça Dom Adauto, centro de João Pessoa. Fruto das reflexões das jornalistas Taísa Dantas e Érica Chianca. A matéria completa está no blog do jornalista Linaldo Guedes.

 

DA SÉRIE: CULTURA INÚTIL

Quem inventou o emoticon?

  

Como notar quando uma pessoa está sendo irônica ou rindo de uma piada quando ela está escrita na tela do computador? Em 1982, o professor Scott Fahlman sugeriu aos u- suários da lista de avisos eletrônica (BBS – uma tia-avó do orkut) da Universidade Carnegie Mellon, nos EUA: “Coloque do lado da frase um :-)”. Hein? Ele explicou: “Incline a cabeça para ler”. Os professores acharam a idéia genial – afinal, uma carinha sorrindo era melhor que escrever “muito engraçado”. Na mesma discussão, alguém sugeriu uma alternativa: “Que tal um &? Parece um barrigudinho se contorcendo de rir!” Silêncio. O simpático dois-pontos, hífen e parêntese ganhou a disputa. Logo variações da idéia original para representar as emoções começaram a ser formuladas e foram batizadas de emoticons (“emoção + ícone”, em inglês).

 

Na Ásia, o pessoal não fica com torcicolo para ler os emoticons. Tudo é na horizontal. A risada, por exemplo, é (^.^). Isso porque, tradicionalmente, lá a emoção é mais delimitada pelos olhos que pela boca. No MSN dos japoneses, mande um (*_*) para mostrar admiração e um (>_<) quando estiver com raiva.

  

-(_8-(!) (Homer Simpson)

 

8:-) (Óculos na testa)

 

C|:-= (Charlie Chaplin)

 

:)(: (Beijo na boca)

 

%*@:-( (Ressaca)

 

:<}) (Sorriso com bigode)

 

@}—,— (Rosa)

 

\˜/\˜/ (Brinde)

 

Pedro Burgos, in Superinteressante.


flipEu poderia começar o relato com o sentido de acordar sob protestos, da dificuldade de armar o pesado mecanismo do dia, e entender que colegas de ofício também estão no mesmo barco, e é sábado e faz sol e não é freqüente que se saia de uma cidade ainda adormecida de eventos e se vá para outro lugar, outras praias, outras literaturas – na verdade, o encontro delas, da nossa e dos outros, o que dá na mesma exatamente quando o evento é um misto de porto e turismo – no bom sentido, claro.

Com uma van garantida, um pouco da Paraíba teve voz na Festa Internacional de Porto de Galinhas, em Pernambuco. Da nossa trupe, poetas como Linaldo Guedes, Sérgio de Castro Pinto, Antonio Mariano, Ikaro Marx, além de Amanda Karla, Amanda 2, Bia Kelly e Veruza. Viagem prazerosa, e de certa forma, novidade para mim, afinal, aportei como marinheiro de primeira viagem.

A manhã foi produtiva, dentro do possível. A única ressalva é o pouco tempo que se reserva aos debates, limitando a fala dos participantes e, por conseqüência, fica-se com a impressão de que se raspou a superfície do tema. Ainda assim, as primeiras palestras tiveram bons momentos. Na primeira mesa, Sergio de Castro Pinto integrou-se a nomes como Cláudio Willer, José Paulo Cuenca, Raimundo Carrero, Bruno Pffardini e Vicente Franz Cecim para discutir a literatura contemporânea feita no Brasil. Na mesa seguinte, foi a vez de Linaldo Guedes, José Neumanne Pinto, João Gabriel de Lima, Quincy Troupe, Ronaldo Bressane, Raimundo Gadelha, Flavio Chaves e Garibaldi Otávio, com o tema: Quando o escritor é editor.

Em seguida, Márcia Maia, poeta e amiga, apresenta a mesa a Trajetória Off Flip na Fliporto, coordenando um bate-papo com Ovídio Poli Júnior e Lucila Nogueira, além de leitura de texto com Flávio de Araújo. Uma escapadinha para um lanche – não tinha nada no estômago desde que saí de João Pessoa. Uma escadaria me leva para o salão. Entre xícaras de café e bolinhos, conheço o escritor cubano José Millet, que me presenteou com um livrinho sobre Ali Primera, cujo subtítulo me põe na mesma ignorância: padre cantor del pueblo. Serve como registro e terei curiosidade de colocar alguma impressão depois da leitura arranhada de espanhol.

img_1387

Recital de Poesia Paraibana

Em seguida, pausa para almoço no belo litoral porto-galinhense (se diz assim?), juntando culinária e essa lacuna abstrata que o estômago cria. A tarde toda fomos ao sabor da corrente, com pequenos flagras de globais, um repórter, um ministro, mais paisagem marítima, etc. No começo da noite, rumo ao recital na Praça das piscinas naturais, com a presença de Bráulio Tavares, Raimundo Gadelha, Lenilde Freitas e os já citados andarilhos – e com direito a palhinha de Augusto dos Anjos, sempre atual. A apresentação ficou por conta de Heloísa Arcoverde de Morais (que também aproveitou para lançar a revista Eita!).

Enfim, não vou me estender mais do que já está disponível aqui: www.fliporto.net A viagem cumpriu-se com o sabor da união sempre esperada entre que vivem a literatura de todas as formas. De minha parte, Porto de Galinhas já é um itinerário a se pensar. Quem sabe nas próximas férias?

julho 2018
S T Q Q S S D
« jan    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
Anúncios